RSS

Este website está hospedado nos servidores da Wyse / branding Essa linha de crédito é invisível!!!

Fotos 360 graus da GUERRA do Trafico na Zona Norte do Rio

This entry was posted on Oct 17 2009

LEIA ABAIXO DAS FOTOS 360 GRAUS, O RELATO COMPLETO DESTE DIA 17 OUTUBRO 2009


Onibus incendiados na favela do Jacarezinho, Guerra do Trafico nas favelas da Zona Norte do Rio, sábado 17/10/2009, 17 de outubro de 2009, traficantes mortos, queda de helicoptero atingido por tiros de fuzil, Tunel Noel Rosa, Vila Isabel, Morro dos Macacos

Click aqui para ver a foto 360 graus acima

Onibus incendiados na favela do Jacarezinho, Guerra do Trafico nas favelas da Zona Norte do Rio, sábado 17/10/2009, 17 de outubro de 2009, traficantes mortos, queda de helicoptero atingido por tiros de fuzil, Tunel Noel Rosa, Vila Isabel, Morro dos Macacos

Click aqui para ver a foto 360 graus acima

Onibus incendiados na favela do Jacarezinho, Guerra do Trafico nas favelas da Zona Norte do Rio, sábado 17/10/2009, 17 de outubro de 2009, traficantes mortos, queda de helicoptero atingido por tiros de fuzil, Tunel Noel Rosa, Vila Isabel, Morro dos Macacos

Click aqui para ver a foto 360 graus acima

Onibus incendiados na favela do Jacarezinho, Guerra do Trafico nas favelas da Zona Norte do Rio, sábado 17/10/2009, 17 de outubro de 2009, traficantes mortos, queda de helicoptero atingido por tiros de fuzil, Tunel Noel Rosa, Vila Isabel, Morro dos Macacos

Click aqui para ver a foto 360 graus acima

Onibus incendiados na favela do Jacarezinho, Guerra do Trafico nas favelas da Zona Norte do Rio, sábado 17/10/2009, 17 de outubro de 2009, traficantes mortos, queda de helicoptero atingido por tiros de fuzil, Tunel Noel Rosa, Vila Isabel, Morro dos Macacos

Click aqui para ver a foto 360 graus acima

FOTOS 360 GRAUS DA VIOLÊNCIA NO RIO

Click nas fotos 360 graus acima para ver
A Guerra do tráfico na favela do Jacarezinho no sábado 17 de outubro de 2009.

Tudo aconteceu assim:
Estávamos eu e o Felipe Dana conversando e experimentado a nova Nikon D300S que acabara de chegar do USA junto com uma nova mochila Think Tank que é a mochila mais PRO do mercado internacional atualmente.
De repente o rádio chamou, era um motorista de táxi, um entre os que ajudam sempre a nos transportar para cá e para lá e também funcionam de informantes para nós.
Ele chamou o Felipe pelo rádio avisando que no bairro do Sampaio, pertinho do Morro dos Macacos havia acabado de cair um helicóptero e explodido.
Felipe me olhou e disse: – eu vou correr para lá, vamos e você faz fotos 360 graus também.

Meu filho caçula ainda dormia. Minha esposa havia saído para se exercitar e o filho mais velho estava na escola.
Topei e saimos correndo de bermuda mesmo e sandálias, nem tempo de colocar um tênis eu tive.
Era a hora de fazer algumas belas e documentais fotos 360 graus, panoramas imersivos como prefiro chamar.
Mas eu sou um purista, um dinossauro como chamam. Hoje a galera mais nova chama só de foto 360 graus mesmo, então entrei na onda também.

Saimos correndo pelas ruas do Rio. Felipe colocou um adesivo imantado de imprensa pelo lado externo do seu carro. O meu carro já está sempre adesivado para facilitar e sermos perdoados pelos policiais quando nos veem correndo atrás de algum flagrante.

Chegamos perto do Morro dos Macacos e já se ouvia o tiroteio. Policiais se esgueiravam entre os carros e se escondiam atrás dos postes e árvores de metralhadoras nas mãos, e no meio disso tudo as pessoas atordoadas. Muitos carros andavam pela contramão.
Era A GUERRA.
Abandonamos o carro numa calçada e resolvemos CORRER pelas ruas atrás de alcançar o ponto aonde o helicóptero havia caído.
Na ruas todos gritavam para voltarmos, para ter cuidado, para não ir para lá, naquela direção.
Eu liguei para o Bruno Bezerra e informei o que se passava comigo e aonde estava.

Tenho 54 anos e Felipe 24, corríamos como loucos e eu tentava não fazer feio para acompanhar ele que pratica ciclismo 3 x por semana pedalando durante 3 a 4 horas seguidas. E eu só pratico CADEIRA na frente dos computadores MACs.

Estávamos lá tentando fotografar o helicóptero destroçado, que havia se tornado um monte de ferros incandescentes, ardendo em brasa no meio de um campo de futebol de uma pequena Vila Olímpica, mas a polícia não deixava ninguém se aproximar. A imprensa estava chegando tbm, as TVs já tinham seus helicópteros sobrevoando o local, muitos cameras men circulavam tentando gravar algo, e os fotógrafos dos jornais começaram a chegar aos montes.

Um PM reclamava comigo por querer fotografar por cima dele, minha camera estava a 3 metros de altura e eu a esgueirava por cima de sua cabeça pedindo desculpa mas dizendo que eu precisava proteger ele e seu emprego mostrando ao mundo o que acontecia nas favelas do Rio.
Ele riu e disse que eu estava maluco, que era para sair dali antes que o Coronel mandasse me retirar com aquela geringonça da mãos.

Nisso eu olho para um lado e vejo que um cameramen da TV Record fala ao radio com uma voz estranha e olha para cima na direção do helicóptero da Record.
Algo estava acontecendo !!! E ele estava sendo imformado pelos olhos de quem estava lá no alto, vendo tudo.

De repente ele saiu correndo e gritando para o carro da Record.
Houve um tumulto, e sem saber porque ele corria a multidão entrou em pânico e todo mundo começou a correr sem destino para todos os lados. Homens, mulheres, crianças e cachorros.

Eu gritei pro Felipe apontando para o cara da Record que entrou no carro e saiu cantando pneus.
Um táxi que passava freiou assutado e parou, o Felipe não pensou duas vezes e simplesmente abriu a porta dele e pulou para dentro, eu me joguei por cima dele para dentro também, o motorista nos olhou assustado e eu gritei: – Não são armas, são cameras, somos fotógrafos …
em seguida o Felipe gritou mais alto ainda: – SEGUE AQUELE CARRO DA RECORD e a gente te dá uma grana !

O motorista se estusiasmou e sentou o pau no carro, um vectra acelerando e avançando todos os sinais e entrando na contra-mão atrás do carro da Record.
Brincamos dizendo: – Você tá gostando hein !
E o motorista disse: – Eu sempre quis fazer isso !
E sentava o pau no carro como um louco, tipo 007 perseguindo mesmo.

De repente o céu começou a ficar preto e entramos no meio de uma favela, era fumaça negra, mas o trânsito empacou, eram muitas pessoas correndo, carros engavetando um para cada lado, um tumulto nas vielas da favela.
Felipe jogou uma grana na mão do motorista do táxi e saltamos.

Nunca corri tanto na vida, cheio de equipamentos pendurados e pelo meio de uma favela em pleno momento de ataque, pânico e loucura.
Todos gritavam enquanto nós dois passávamos pelo meio das casas e ouvia-se ainda o barulho dos tiros ecoando longe.
Lá na frente ardia em labaredas gigantes um ônibus. Fomos os primeiros fotógrafos a chegar. Só a Record estava junto.
Pode-se ver isso na primeira foto acima quando ninguém mais está perto do ônibus e nem de meu ponto de vista central da foto 360 graus.
O ônibus começava a estourar os vidros e os pneus e a polícia chegou.

Comecei a fotografar e muitos fotógrafos foram chegando também. A cena estava uma loucura.
E novamente, todos olharam para o céu em outra direção e lá longe via-se outra nuvem de fumaça preta, maior ainda.
Começou a loucura de novo. Mas não tinha táxi ali, então pedimos carona a um carro de reportagem e entramos dentro, eu tive de ir sentado em cima do Felipe e caindo em cima de um outro fotógrafo que dentro do carro tentava transmitir suas fotos pelo laptop. Corríamos como loucos e o motorista do carro, um Siena prata só dizia que não podia correr mais pois o carro era dele e não da empresa. Mas assim mesmo ele tava indo muito rápido.
No banco de trás completamente torto eu só pensava que se batessemos, eu iria ser jogado ou esmagado contra as cadeiras da frente aonde uma reporter super gentil prometia que no dia seguinte traria comida e sanduíches para todos.
Isso, claro, SE conseguissemos sobreviver mais um dia hehehe.

Nos perdemos e de repente rodávamos em círculos pelas ruas da região com a buzina disparando para que todos saissem da frente, o que incluia até carroças puxadas por cavalos pangarés. Num certo momento avistamos o carro do G1 que também estava perdido rodando a procura do caminho para chegar no novo foco de fumaça.

Foi aí que nosso motorista teve um palpite e disse: vou por ali, e pegou uma rua e chegamos exatamente em frente aonde havia este outro fogo.
Era na favela do Jacarezinho, bem em frente a quadra da escola de samba.

A cena era impressionante, a fumaça era muita, o ar estava pesado e o calor era grande. Eu pensava nas fotos 360 graus que faria o tempo todo.
Muitos fotógrafos e carros começaram a chegar e todos corriam para fotografar.

Minha esposa me ligou dizendo que ela e meu filho caçula acabavam de me ver pela TV record, na tela; eu correndo na frente dos ônibus pegando fogo.
Eu lhe disse que estava tudo bem e que faria ótimas fotos 360 graus.

Depois fui saber que o G1 também gravara em vídeo e eu apareço bem na frente da camera deles fotografando em 360 graus, assim como de repente na hora de uma das explosões aparece o Felipe Dana correndo para fotografar por outro lado.
E ele me gritava: – Ayrton a porra da bateria do macbook acabou, está quase zerada eu preciso transmitir minhas fotos !!!!

Não havia luz na redondeza, descobrimos que atrás da fumaça do ônibus, haviam mais 2 outros ônibus também ardendo em chamas !!!
Aos poucos fomos percebendo que também havia um carro que estava encostado contra a parede do outro lado da rua e queimava. Acima do fogo de um ônibus havia um transformador de luz no poste e estava prestes a explodir por causa do calor. Foi quando os fios derreteram e começaram a cair , eu corri e falava ao telefone com o Bruno Bezerra, o outro fotógrafo associado que tuitava tudo que acontecia, me mantendo informado do que via na TV e na net, e eu contava para ele tudo que estávamos passando e como iam as fotos 360 graus que eu estava clicando sem parar.
Eu deixei o celular cair ao correr para fugir dos fios elétricos pegando fogo.

Voltei em seguida e peguei o celular e consegui falar com o Clício Barroso, o Presidente da Fototech, a melhor Associação de fotógrafos do Brasil, da qual nós somos associados também.
Mas a ligação caiu no meio e nem sei se ele me ouvia, mas eu dizia, ou melhor, gritava, que estávamos bem, apesar dos barulhos de sirene, fogo e explosões que ele ouvia ao fundo.

Os bombeiros chegaram e começaram a jogar água para apagar o fogo. Nesse momento consguimos ver que o Caveirão já estava do outro lado do incêndio aonde moradores estavam se juntando para ver a cena do caos.

Com a água, começou a fuligem, e tentar se aproximar do fogo para fotos era um exercício de respirar mal.

Pouco a pouco o fogo foi apagando e o Felipe me disse: – Ayrton eu preciso sair daqui para enviar as fotos.
Corremos pelo meio da galera e havia uma van que ia passando, sinalizamos pedindo para pegar uma carona.
O motorista nos olhou com aquela cara de quem nem estava ouvindo nada pois dentro da van o som comia solto a todo volume tocando um funk insuportável.

Pedimos a ele para nos levar de volta ao Morro dos Macacos aonde havíamos deixado nosso carro no meio da rua. O cara não queria, então oferecemos “um galo” e acenamos com uma nota de cinquentinha, implorando que nos tirasse dali. O Felipe disse que precisava chegar rápido até lá, por causa das fotos.

O carinha sorriu, aumentou mais ainda o funk, até eu quase ficar surdo e saiu como um louco cantando pneu e pronto, seguimos em rumo a nem sei aonde, mas por ruas, contornos por cima das calçadas, cruzamentos na contra-mão, sinais vermelhos, insano e com a porra daquele funk maluco me deixando surdo. Detalhe, na hora que ele arrancou com a van, a porta de trás ainda não estava fechada direito e o Felipe quase cai para fora ou no meu colo, nem lembro mais.
Eu só pensava nas fotos 360 graus que sairiam dali.

O resto foi normal, chegamos ao carro perto daonde o helicóptero havia caido, muitos policiais ainda estavam lá, muitos mesmo e fomos até Vila Isabel, ali no Planeta do Chopp, para usar a tomada elétrica, e então poder transmitir as fotos do Felipe para a AP.

Após isso, levei o Felipe de volta para a zona do conflito, e voltei para a zona sul com o carro, deixando ele lá.

A esposa dele estava querendo saber notícias dele e veio até a minha casa. Chegamos juntos, e eu lhe disse que ele estava bem.
Meus filhos me esperavam para almoçar e a vida segue … sempre com fotos 360 graus
:-)

Abçs

Vou montar mais fotos 360 graus !!!
Espero que gostem.
:-)

ENGLISH :

A 360 view of Rio´s Violence
click on the 360 pictures to check them out

The traffics war on Jacarezinho slum on October 17th

And that’s how it happened:
Felipe Dana and I were talking discussing and trying the new Nikon D300S that had just arrived from the US with the newest Think Thank backpack, one of the most PRO backpacks on the market nowadays.
Suddenly a taxi driver called on the walk talkie, he’s one of the guys he helps us out taking us here and there and is also some kind of informant.

Ha called Felipe on the cellradio saying that a helicopter had just been knocked down and exploded in Sampaio´s neighborhood .
Felipe looked at me and said: I’m on my way there and if you come with me you can take 360 pictures as well.

My youngest son was still asleep. My wife had left early to exercise and my oldest son was in school.

I jumped on and left on my shorts and sandals, I didn’t even have the time to put on shoes.
It was the time to take some pretty and documental 360 photos, or an immersion panorama like I prefer to call them.
I am what you can call a dinosaur. The young people only call them 360 photos I decided to do the same.
We were running throughout Rio’s streets. Felipe put some sort of sticker on his windshield saying that he was from the press. I always have one on my car, just in case if we needed to be “forgiven” by the cops who come to investigate.

We got closer to Macacos’ slum and we could already hear the shooting guns. Cops were between cars and hiding behind light posts and trees with guns. And in the middle there were a lot of people lost running around in the middle of chaos, a lot of cars were going the wrong way too.

It was the WAR.
We left the car on a sidewalk and decided to run on the streets to get a better view of the falling helicopter.
People were screaming for us to come back, to be careful, not to go on that direction.
I called Bruno Bezerra on the cellphone and told him what was going on and where I was.
I am 54 years old and Felipe 24, we were running like crazy and I was trying not to disappoint him, whom bikes 3 times a week for 3 to 4 hours straight. As for me I only sit in front of the computer in front of my Mac computers.

We were there trying to take pictures of the wrecked helicopter. It was transformed into flamed wrecks, burning in flames in the middle of a soccer field from a small Olimpic Ville. But the cops didn’t want to let anyone to get close to it.

The press was starting to arrive too. TV stations already had their helicopters flying over the scene, a lot of camera men trying to get some images and newspapers photographers were arriving in large groups.

A cop was complaining that I was trying to take pictures almost on top of him. My camera was 3 meters high and I was trying to talk him over saying that I was showing to the world what really happened at Rio’s slums and I was somehow protecting his job.

He started laughing saying that I was crazy and that I had better get out of there before the Sheriff told me to do it so.
That’s when I saw a cameraman from Record TV Station talking on the radio with a weird voice and looking up to their helicopter.

Something was going on!!! He was being informed from the person who was up there looking up at everything.
Suddenly he started running and screaming in direction to his car

It was crazy and without knowing why he was running through the crowd that was in panic and was running all over the place. Men, women, children and dogs.
I yelled at Felipe pointing the Record’s guy who had got into his car and left speeding.

A cab that was passing by stopped scared and Felipe didn’t think twice. He opened the door and jumped and I jumped on top of him. And the driver looked at us scared and I told him that we were holding cameras not guns and that we were photographers.
After that Felipe yelled to the driver: Follow that Record’s car and we will give you some money!
The driver got excited and started speeding the car, crossing all the red lights, going the wrong way following the car.

We started joking telling him that he was actually enjoying all that.
When he said that he always wanted to do that.
He was running like crazy it was like 007 on action.
Suddenly the sky got darker and we got in the middle of a slum. There was a black smoke all over. There was traffic, a lot of people running, cars crashing, it was a chaos in the middle of the slum alleys.

Felipe gave the driver the money and we jumped out of the cab.
I had never in my life ran so much full of equipment and inside of a slum in the middle of the craziness and panic

Everyone was yelling while we were going through the houses and we could hear the shot guns still.

In front of us a bus was in flames. We were the first photographers to get there with Record’s cameramen.
You can see that on the 1st picture above when no one else is close to the bus anymore and nor on my point of view.
The bus windows and tires started to explode and the cops arrived.
I started shooting pictures and some other photographers started to arrive. It was a chaos.

And again everyone was looking at the sky and we could see far another dark smoky cloud this time it was bigger.
And the craziness started again. There was not a cab there at this time so we asked for a ride on this press’ car. We got in and I had to sit on Felipe’s lap, falling over this other photographer who was trying to put the pictures from his camera on his laptop.
The driver was running like a crazy and said that the only reason he wasn’t going faster was the fact that the car wasn’t his. But he was still going pretty fast.

On the back seat the only thing I could think about was if we crashed… I was going to be thrown against the front seats where a really nice reporter was promising that the next day we was going to bring sandwiches and food for everyone.
That of course IF we survived one more day. We got lost and suddenly we were going in circles around the streets buzzing for everyone to get out. That included carriages pulled by some horses. At a certain time we saw a G1´s (another press) car that was lost too trying to find the smoke, when the driver decided to take a shortcut and we got exactly where this other fire was going on.
It was at the Jacarezinho slum, right in front of this samba’s rehearsal spot. The scene was impressing. There was a lot of smoke, the air was heavy and it was extremely hot and stuffy and I could only think about the 360 pictures I was going to shot. A lot of photographers started to arrive and were running to take pictures. My wife called and said that her and my youngest son had just seen me on TV, while I was running if front of a bus on fire.
I told her everything was fine and that I was going to take amazing 360 shots. After I heard that G1 had also recorded a video and I was right in front of their camera taking 360 shots, when the other explosion happened so they show Felipe Dana running to take pictures from another angle. He was screaming: Ayrton, the freaking Mac’s battery is almost done and I have to get my pictures in it.
There was no power around. And we found out that behind the smoke from the flaming bus there were 2 more buses on fire too!!

Suddenly we realized that there was also a car on the other side of the street that was on fire as well.

Above the flaming bus there was a power line that was about to explode because of the heat.

That was when the wires started to melt and started falling down. I started running and was on the phone with Bruno Bezerra, the other photographer I knew that was on twitter at the same time checking what was going on and keeping me informed about what he was watching on TV and on the web. I was telling him what was going on and how the 360 pics were coming out.

My cell phone felt off while I was running from the falling electric wires. I went back and got my phone and called Clício Barroso. Fototech´s (The best photographer’s association in Brazil) president.
The phone called was interrupted in the middle and I have no idea if he could hear me speaking or yelling, because we were in the middle of ambulances, fire and explosions.
The firemen arrived and started hosing water to get rid of the fire. At this moment we could see that the Caveirão (special car used by the special forces of Rio´s police department) was already on the other side of the fire were people who live on the slum were arriving to check the chaos.

With the water and the smoke trying to get close to the fire was making almost impossible to breath.

Slowly the fire was extinguished and Felipe told me: Ayrton I have to get out of here to get this pictures sent.

We started running in the middle of the crowd and saw this van passing through and we asked for a ride.
The driver gave us that weird look and couldn’t hear anything because of the terrible funk he was listening to on the radio.
We asked him to take us back to Macaco´s slum were we had left the car in the middle of the streets. He didn’t want to so we offered him some money and showed him a $50´s bill begging him to get us out of there.

Felipe said that he needed to get there fast because of the pictures.

The driver smiled, turned the volume even louder, to the point that I was getting deaf, and he left like a crazy, burning the tires and going in the direction of I don´t even know where… On sidewalks, wrong ways, going through red lights and that funk was driving me crazy.

When he started the van the back door was still opened and Felipe almost felt off. I cannot even remember the details. The only thing I could think about were the 360 photos I was going to get out of my camera.

The end was very normal. There were a lot of cops (I mean a lot!) were we had left the car still. So we went to Vila Isabel and stopped at a bar to use the power to get the pictures to the AP. Right after I took Felipe back to the conflicts spot and drove back to the south area leaving him there.

His wife wanted news about him and came to my house… I told her he was fine!

My kids and wife were waiting for me to have lunch.

And life goes on… Always with 360 degrees pictures!

THANKS to Shana Zanotta for the english translation !!!

Post to Twitter Post to Delicious Post to Digg Post to Facebook Post to StumbleUpon


57 Responses to “Fotos 360 graus da GUERRA do Trafico na Zona Norte do Rio”

  1. muito foda teu trabalho, gosto muito, além de muita agilidade neste caso teve que ter coragem!


  2. Parabéns Ayrton, flagar uma cena dessas e registrar em 360 é inédito. Valeu !


  3. Parabéns pela coragem… e pobre do meu Rio de janeiro, cada vez pior.


  4. E o povo ainda comemora as olimpiadas. Ja pensou olimpiadas no meio dessa merda toda que é o RJ? Parabéns Lula Molusco Cachaceiro e povinho medíocre do Brasil!


  5. AYRTON,

    Mais uma vez parabéns pela iniciativa e coragem! E como bem disse o Auder, pobre do nosso Rio que sofre com mais este lamentável episódio de violência e pavor…

    Grande abraço!


  6. Nossa, vc e muinto doido! Parabéns pela foto.


  7. Parabens!! Muito bom, cara!

    Se um dia estiver em sampa e começar uma correria parecida, me chama q eu vou! xD


  8. Cara, tu é maluco. Parabéns pelo trabalho arriscado e mais ainda pelas imagens.,


  9. Credo! Parece filme! Sua narração [e impressionante! Eta coragem e curiosidade hein! 😛


  10. Cara, tu é muito doido! Heheheheh… Muito boas as fotos, valeu super a pena brigar com meu navegador pela as atualizações necessárias que faltavam, embora eu achasse que mantivesse tudo certinho, demorou um pouquinho, mas como disse valeu super a pena mesmo!!!! Myuita invejinha do seu trabalho!!! heheheh…Sorte sua que minha área é outra… hehehe… brincadeira!!! Bom, parabéns pelas fotos, pela iniciativa e pela gastança de calorias principalmente!… heheheheh E sinto muito pelo ocorrido na sua cidade maravilhosa…


  11. Parabéns pela foto !


  12. Parabéns pelo trabalho belíssimo! Embora as imagens sejam de dor por ver nossa cidade comandada pela bandidagem e também de muito medo pela insegurança de nossas vidas expostas, fico feliz em ver que ainda há homens de bem e que trabalham dignamente como vocês fotógrafos, repórteres, bombeiros e grande parte da polícia. Mais uma vez meus parabéns! E cuidado!


  13. Rapaz, parabéns, hein?


  14. Po cara, da proxima vez me liga!!! rs
    eu moro ali do lado do jacarezinho e passei em frente a zona de metro… pensei mto em descer pra fotografar tb!!!! heheeheh
    abraçao


  15. Parabens pelo trabbalho


  16. Parabéns Airton pelo trabalho !!!
    O triste de ver essas fotos, é saber que no caminho entre a minha casa e a faculdade eu passo pelo Jacarezinho todos os dias e vejo diariamente a situação deplorável que os transeuntes daquele local vivem. Adolescentes e crianças tomdos pelo crack, o brilhante trabalho da SUIPA – bem ao lado, e traficantes cruzando a avenida em bondes sem pedir licença para passar – ironia seria o traficante pedir licença para passar. Infelizmente o RJ tem muito o que consertar, lutar, melhorar e até lá…vidas irão perecer.
    Que cidade é essa?

    Um araço e parabéns pelo trabalho


  17. testando!!


  18. Parabéns pelas fotos e pela coragem!


  19. Well done job with the VRs. Another proof that you are among greatest World’s VR journalists.

    :) Bostjan


  20. Nice shots as usual Ayrton, thanks to provide to internet people this new media


  21. Que isso????Que loucura, fiquei grudada na sua historia,daqui a pouco você vai estar escrevendo um livro!!!So fico imaginando a sua mulher e filhotes como nao devem ter ficado…vixie Maria…ainda bem que deu tudo certo pra voce no final!!!!Parabens…valeu a pena toda essa loucura,estao um espetáculo!!!
    Beijos,Tati!


  22. Oi, Ayrton, parabéns pelo trabalho! um verdadeiro paradoxo entre a maravilha das imagens e da técnica e o horror do conteúdo!


  23. Oi Ayrton,

    Eu sabia que vc era um ótimo fotógrafo mas não sabia que era maluco! Tá doido!
    Abraços!


  24. As fotos ficam mais emocionantes se ler todo seu relato.
    Minha adrenalina subiu só de ler o que você escreveu!

    Que bom que no final tudo saiu tranquilo, sem problemas.
    Fotos excelentes, parabéns!


  25. Ge, I have use google translator for your text. Impressive. Incredible. Amazing. BRAVO!!! Tks for show the world a new breed of Panorama Photography. 360 journalism. Sensational.
    Hans F.


  26. Muito bom o relato e as fotos são um arraso. Postei no tweeter. Parabéns


  27. Fenomenal seu trabalho. E mais ainda quando se vê que as suas pan mostram todas as realidades, sejam os momentos mais felizes ou caóticos.

    Abraço


  28. Putz velho, anda doidão!!!!
    Parabéns pela coragem em fazer 360 numa situação tensa como esta.
    Se seguir nesse ritmo na próxima está captando som ambiente!!! :o)

    Abs!


  29. Ayrton:
    Eu sabia de sua capacidade como profissional, de sua competência como fotógrado, mas não o sabia tão grande cronista. Parabéns! É da vida, enquanto uns choram seus mortos ou tremem de medo, vc (s) honra(m) o que vieram para. Tê-lo em meu cíclo de amizades , me faz sentir-me uma pessoa privilegiada. Obrigada pela excelente cobertura, que só li /vi no seu documentário, já que me nego a entrar na paranóia de tv, edições extraordinárias,etc. Não curto tragédias, prefiro fazer mediatações pela paz. Se precisar de mim, como tradutora ou revisora para seu livro, “count on me”. Certamente estarei em sua “noite de autógrafos.”Até lá!
    Bjs
    Lenyr


  30. Absolutamente emocionante! Adorei ler o texto e, principalmente, ver as fotos.
    Se precisar de um piloto de fuga, estamos aí.


  31. Parabéns pelo trabalho, é esse tipo de trabalho que me faz cada dia mais estudar para ser um fotojornalista.
    Sucesso sempre.


  32. achei a proposta do website bem legal, mas não to conseguindo visualizar as imagens em 360º.
    E meu JS e o flash estão perfeito.


  33. CONSEGUI!!!!!!!!! =)
    SHOW.. PARABÉNS


  34. Meu caro amigo,
    Monte, sim, fotos 360º, fantática tecnologia do mundo fotográfico, mas, por favor, não “desmonte” sua vida e da sua família como fazem estes imbecis e energúmenos que você estava à procura!
    Abraço!


  35. Parabens pelo trabalho, muito boa as fotos!


  36. ADOREI MUITO BOAS AS FOTOS BÉM DIFERENTES NA FORMA DE 360 GRAUS, REALMENTE CRIATIVO E INTELIGENTE, DEIXO AQUI O MEU BLOG http://meubairronanet.arteblog.com.br/1/ PARA TODOS A TITULO DE CURIOSIDADE E INFROMAÇAO OK


  37. Parabéns Ayrton, trabalho nota 11, já estou espalhando pra todo mundo aqui na Nova Zelandia, aonde moro. Fiquei curioso pra saber qual é o equipamento que vc usa para fazer as fotos de 360, pois na correria toda, ele deve ser algo compacto, não?! Nota 11 também pra tua página, limpa, elegante e direto ao que interessa, já faz parte dos meus favoritos!
    Um abraço do outro lado do mundo.
    Marcelo Duque Cesar


  38. Tá cada vez melhor Ayrton! Parabéns!!

    Abração! Marcio


  39. Not tear myself away from your panoramas! How do you manage to shoot quickly panorama that you have a vehicle? open your secret…


  40. Excelentes fotos, adorei.


  41. mais fotos sobre rua da favela


  42. Awesome panos Ayrton !
    Guillaume


  43. Ayrton,

    Parabêns por vc ser um proficional exemplar, é muito triste cenas como essas mas fazer o que…!


  44. Fotojornalismo em 360°. Este será o futuro. Pode acreditar!


  45. Caro Rapha Garcia, valeu pela visita.
    Que bom que você gostou.
    Eu também acredito nisso, pois mostra e passa a sensação de estar lá no meio da muvuca, do ato, do instante mágico ou trágico.
    Obrigado por comentar.
    360 abçs
    A


  46. Realmente Ayrton, voce é maluco. Mas o resultado ficou incrivel, desde a primeira ver que vi essas fotos, foi bem na epoca que ocorreu, faz quase um ano ja. Achei incrivelmente belo o resultado, das fotos equiretangular mesmo. Muita coragem, competencia e profissionalismo.


  47. Fala Chan
    obrigado pela visita e pelo teu tempo em comentar por aqui.
    Valeu mesmo.
    360 abçs
    Ayrton


  48. I do enjoy the manner in which you have framed this problem plus it does indeed give us a lot of fodder for thought. However, through what precisely I have observed, I basically wish when other comments stack on that people today remain on issue and in no way get started upon a soap box regarding some other news du jour. Still, thank you for this excellent point and whilst I can not necessarily agree with this in totality, I regard the perspective.


  49. I think other web-site proprietors should take this web site as an model, very clean and fantastic user genial style and design, as well as the content. You are an expert in this topic!


  50. Rechtsanwalt Sturm ist als Fachanwalt für Handels- und Gesellschaftsrecht im Handelsrecht sowohl in München als
    auch überregional tätig.


  1. 7 Trackback(s)

  2. FaConti (faconti) 's status on Sunday, 18-Oct-09 11:46:52 UTC - Identi.ca
  3. 28mm:Blog – Por Henrique Manreza » Blog Archive » Favela SP/RJ
  4. Falaê! » Favela SP/RJ
  5. Clube de Jornalistas » Fotos a 360º da violência no Rio de Janeiro
  6. Big Pictures do Estadão « Polo de Fotografia
  7. mocoka
  8. Fotos 360 graus; as melhores do Brasil estao no AYRTON360.COM 21-99826313 » Blog Archive » Fotos 360 graus do BOPE na Vila Cruzeiro

Post a Comment